Notícias

Loading...

Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Atlas Climático da Estação Ecológica do Taim

O Atlas Climático da Estação Ecológica do Taim (ESEC Taim) é um produto científico de natureza geográfica, compreendendo principalmente as áreas da climatologia e cartografia, com emprego de técnicas de geoprocessamento. Foi concebido através de projetos de pesquisa e parcerias entre o Curso de Geografia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM/RS), a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que iniciaram em 2012, e chegam nesta etapa em 2015 com a publicação deste material.
O Atlas da ESEC Taim teve por objetivo principal suprir humildemente uma lacuna nos estudos de climatologia aplicado às Unidades de Conservação, utilizando como espaço de análise uma área protegida do Estado do Rio Grande do Sul, sob condições climáticas subtropicais, com informações climáticas detalhadas orientadas principalmente à formulação de políticas de gestão das unidades protegidas, bem como servir de subsídio aos estudos realizados pelas mais diversas áreas da ciência, como Geografia, Biologia, Meteorologia, Hidrologia, Ecologia, Oceanografia e demais ciências da Terra.





 

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Paisagem e Patrimônio

Paisagem é uma palavra que, pelo seu uso tao Frequente, pela sua aplicação em toda e qualquer circunstância, ainda por cima com uma aparente certeza conceptual a tocar a impunidade, criou a sensação de dispensar qualquer esforço de definição.

Porém, para ser paisagem esse espaço visível tem de ser constituído por um conjunto de componentes que formem um todo coerente. Significa isto que esses componentes, em regra heterogêneos, pela sua distribuição, disposição, encadeamento, associação mais ou menos 1ógica entre si, conjugam-se no sentido de ser possível atribuir uma identidade àquele espaço. Esses componentes passam essencialmente pela morfologia do terreno, pela hidrografia, pelo coberto vegetal e pelas instalações e transformações exercidas, nesse espaço, pelas comunidades humanas. Esta paisagem terá uma dinâmica própria, nem sempre detectável de imediato, mas passível de observação e entendimento após analises de pormenor efetuadas sobre o terreno ou sobre meios indiretos de representação desse mesmo terreno.

 Leia o texto de: Paisagens: um patrimônio e um recurso de Antônio Campar de Almeida.

Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/13165/1/Paisagens-%20um%20patrim%C3%B3nio%20e%20um%20recurso.pdf



Propriedade rural no município de Ervália-MG






domingo, 23 de agosto de 2015

Visita a Estação Meteorológica da UFV pela Turma de Geografia 2015/2

CONHECENDO UMA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA CONVENCIONAL

Professor: Edson Soares Fialho
Monitores:
Robson Quina, Edilson Celestino, Ludmilla Fernandes, Maria Luzia,
Thalyta Varejão e Rogério Coelho.

Estação Convencional e Automática de Viçosa-MG:
Localização: Universidade Federal de Viçosa
Número de Controle INMET: A150
Aberta em: 14/07/2005

Latitude: -20,7667º                 Longitude: -42,8666º             Altitude: 712 metros

Abrigo meteorológico: tem por finalidade manter os instrumentos secos, livres da precipitação e insolação. Deve ser de madeira e pintado de branco. Instrumentos – termômetro de máxima, mínima, evaporímetro de piche, psicrômetro, termohigrômetro. Instalação: terreno plano, coberto de grama rasteira. A base deve ficara altura de 1,20m do solo. Deve ser nivelado sobre um cavalete ou pilar de alvenaria.
Heliógrafo: mede o número de horas durante o dia que os raios solares atingem diretamente a superfície da terra num determinado local.
Actinógrafo: determina a quantidade de energia que atinge a superfície na terra (cal cm 2 dia-1). É denominada de radiação solar global.
Termômetro de máxima: mede a temperatura máxima do dia à sombra. A leitura é realizada às 21 horas.
Termômetro de mínima: mede a temperatura mínima do ar à sombra. Leitura é realizada às 9 horas.
Termohigrógrafo: registrar continuamente a temperatura do ar e umidade relativa do ar à sombra.
Psicrômetro: aparelho constituído de dois termômetros. Um fluxo de ar pode ser forçado a passar nos bulbos dos termômetros – ventilação forçada. Um termômetro fornece a temperatura do ar (t). O segundo é coberto com uma gaze ou cadarço de algodão que é umedecido com água destilada (tw). O ar passa e retira a umidade. Diferença entre (t – tw).
Evaporímetro de Piche: mede a evaporação potencial do ar a sombra. Os dados coletados, ou seja, a evaporação medida não leva em consideração os valores de radiação solar. A evaporação é sensível a velocidade do vento e mantém relação inversa com a umidade relativa do ar e não apresenta nenhuma relação com a evapotranspiração.
Tanque classe A: servem para determinar a capacidade evaporante da atmosfera a fim de medir a evaporação de uma superfície livre de água. Horário da leitura – 9 horas.
Pluviômetro: determina a precipitação pluvial (mm). A altura de chuva é dada pela razão entre o volume inicial e a superfície em questão.
Pluviôgrafo: registrar a cada instante de tempo a precipitação pluvial, informando sobre o total de chuva e a intensidade (mm/h).
Catavento: dar a direção e sentido do vento. Alguns podem dar a velocidade expedita do vento (m/s). Biruta = dá o sentido, a direção do vento e ainda uma idéia de velocidade.
Anemômetro de concha ou caneca: três a quatro conchas, instaladas sobre um eixo vertical fixado a uma engrenagem que movimenta um mostrador. Os dados são acumulados e divididos pelo período. Anemôgrafo universal: registra continuamente a intensidade do vento bem como a direção e o sentido.
Geotermômetro: determina a temperatura do solo. As profundidades utilizadas são: 2,5; 10, 30 e 50cm na disposição leste/oeste. A menor profundidade deve ser colocada no lado oeste. A extremidade superior da haste deve apontar para o norte.
Lisímetros: determina a evapotranspiração real das culturas.
Evapotranspirômetros: determina a evapotranspiração potencial.
Barômetro: exerce a função de medir a pressão atmosférica, utilizando a unidade de pressão denominada “bar”. São dois os tipos de barômetros: o aneróide (metálico) e o de coluna de mercúrio.


Distribuição dos Equipamentos meteorológicos em uma Estação meteorológica.

















segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Questões de Vestibular sobre Ilha de calor

1. ACAFE – 2012/2 - As grandes cidades constituem o ambiente onde as intervenções humanas como desmatamento, deslizamentos, edificações, canalização de rios, diferentes poluições oriundas da indústria e dos carros, dentre outras, acabam gerando inúmeros efeitos sobre o meio ambiente. Sobre os fenômenos atmosféricos, assinale a alternativa correta.
A) O microclima surgido nas cidades é decorrente das condições meteorológicas originadas nas áreas rurais que são levadas pelos ventos para os centros urbanos. 
B) A ilha de calor é um fenômeno resultante das alterações humanas nas grandes cidades (ausência de verde, asfaltamento de ruas, concreto dos edifícios, etc.), as quais resultam em temperaturas médias maiores do que as do seu entorno. 
C) A inversão térmica é um fenômeno climático típico das grandes metrópoles que aparece quando a camada de ar frio se forma sobre uma de ar quente, gerando uma corrente ascendente de ar que leva embora os poluentes. 
D) O efeito estufa é um fenômeno meteorológico restrito às áreas urbanas e causado por alguns gases, como o dióxido de carbono, responsáveis pela elevação anormal das temperaturas.

2. UERJ 2011 - Na figura abaixo, está representado um fenômeno comum em grandes aglomerações urbanas, como a cidade de Londres.
Explique a ocorrência do fenômeno representado na figura e cite duas ações do poder público sobre os espaços urbanos capazes de atenuar esse fenômeno.

3. UCPEL 2012 - Nosso planeta vem sofrendo mudanças climáticas há muito tempo. Um fenômeno ocorre sobre áreas urbanas e consiste na presença de temperaturas à superfície relativamente maiores que as encontradas nas regiões fora da cidade (áreas rurais). Alterações da umidade do ar, da precipitação e do vento também estão associadas à presença desse fenômeno. Ele é claramente antrópico. O fenômeno climático descrito acima refere-se 
a) às ilhas de calor. 
b) à inversão térmica. 
c) ao efeito estufa. 
d) ao El niño. 
e) às chuvas ácidas.

4. UFCG 2009 - Os grandes centros urbano-industriais são assentamentos humanos cujas paisagens são marcadas pelo elevado grau de artificialidade dos objetos geográficos que as compõem. Essa substituição da primeira natureza por uma natureza artificializada traz, em muitas delas, impactos ambientais negativos, atualmente um dos sérios problemas urbanos. A figura abaixo ilustra um desses impactos ambientais. Trata-se da (das):
GARCIA, H.C.Lições de geografia. São Paulo.: Scipione.1998.
a) Inversão térmica, que ocorre no inverno em grandes cidades expostas à penetração do ar de origem polar. Com ela, os gases poluentes não se dissipam e ficam retidos perto da atmosfera, provocando doenças respiratórias na população. 
b) Ilhas de calor, que se formam nas áreas centrais, resultantes da retirada da cobertura vegetal, da presença de edifícios, da difícil circulação do ar em virtude das barreiras representadas pelos prédios, do asfaltamento das ruas e da liberação de poluentes por indústrias e pela circulação de veículos, que ocasionam a elevação da temperatura. 
c) Chuvas ácidas, que resultam da combinação da água das chuvas, neblina, geada ou neve com substâncias poluentes, precipitando-se como ácido sulfúrico e ácido nítrico diluído, que, entre outros efeitos, causam a corrosão dos edifícios. 
d) Poluição sonora decorrente do barulho produzido pelos carros, ônibus e caminhões, máquinas das fábricas, prédios em construção, obras nas ruas, entre outros. 
e) Poluição visual resultante da exploração do espaço urbano pela publicidade (outdoors, placas, cartazes, telões, painéis eletrônicos, faixas, entre outros.).

5. UNIVALE “Nos espaços altamente urbanizados, é significativa a diferença de temperatura entre a região central, mais quente, e a periferia, com menor temperatura. Em alguns casos, a diferença pode chegar a 9ºC. Isso ocorre porque nas áreas centrais os automóveis e indústrias lançam poluentes, que provocam o aumento da temperatura. O concreto e o asfalto absorvem rapidamente o calor, cuja dispersão é dificultada pela poluição”. Fonte: www.brasilescola.com Qual dos impactos abaixo representados está diretamente associado aos grandes centros urbanos conforme citado no texto acima? Assinale-o: 
a) Aquecimento Global. 
b) Ilhas de Calor. 
c) Efeito Estufa. 
d) Anticiclones Tropicais. 
e) Destruição da Camada de Ozônio.

6. ENEM 2011 - O fenômeno de ilha de calor é o exemplo mais marcante da modificação das condições iniciais do clima pelo processo de urbanização, caracterizado pela modificação do solo e pelo calor antropogênico, o qual inclui todas as atividades humanas inerentes à sua vida na cidade. BARBOSA, R. V. R. Áreas verdes e qualidade térmica em ambientes urbanos: estudo em microclimas em Maceió. São Paulo: EdUSP, 2005. O texto exemplifica uma importante alteração socioambiental, comum aos centros urbanos. A maximização desse fenômeno ocorre 
A) pela reconstrução dos leitos originais dos cursos d’água antes canalizados. 
B) pela recomposição de áreas verdes nas áreas centrais dos centros urbanos. 
C) pelo uso de materiais com alta capacidade de reflexão no topo dos edifícios. 
D) pelo processo de impermeabilização do solo nas áreas centrais das cidades. 
E) pela construção de vias expressas e gerenciamento de tráfego terrestre.

7. UNICENTRO 2006 - Sobre as ilhas de calor, considere as afirmativas a seguir. 
I. As ilhas de calor são resultado das modificações dos parâmetros da superfície e da atmosfera pela urbanização e correspondem a uma área onde a temperatura da superfície é mais elevada que as áreas circunvizinhas. 
II. As ilhas de calor concentram-se em áreas onde existe atividade vulcânica no interior dos oceanos, que concentram o calor advindo do magma que atinge a superfície e, também, são denominadas de “hot spots”. 
III. O fenômeno das ilhas de calor ocorre em áreas urbanizadas, devido à concentração de concreto, asfalto, veículos, pessoas, indústrias, que absorvem e armazenam grande quantidade de radiação solar. 
IV. Nas cidades brasileiras não ocorre o fenômeno das ilhas de calor, pois o Brasil encontra-se assentado sobre o interior de uma placa tectônica que não desenvolve atividade vulcânica.
Estão corretas apenas as afirmativas: 
a) I e II. 
b) I e III. 
c) II e IV. 
d) I, III e IV. 
e) II, III e IV.

8. ENEM 2010 - As cidades industrializadas produzem grandes proporções de gases como o CO2, o principal gás causador do efeito estufa. Isso ocorre por causa da quantidade de combustíveis fósseis queimados, principalmente no transporte, mas também em caldeiras industriais. Além disso, nessas cidades concentram-se as maiores áreas com solos asfaltados e concretados, o que aumenta a retenção de calor, formando o que se conhece por “ilhas de calor”. Tal fenômeno ocorre porque esses materias absorvem o calor e o devolvem para o ar sob a forma de radiação térmica. Em áreas urbanas, devido à atuação conjunta do efeito estufa e das “ilhas de calor”, espera-se que o consumo de energia elétrica 
A) diminua devido à utilização de caldeiras por indústrias metalúrgicas. 
B) aumente devido ao bloqueio da luz do sol pelos gases do efeito estufa. 
C) diminua devido à não necessidade de aquecer a água utilizada em indústrias. 
D) aumente devido à necessidade de maior refrigeração de indústrias e residências. 
E) diminua devido à grande quantidade de radiação térmica reutilizada

9. UFAL 2014
A figura mostra um problema ambiental que exige, para a sua solução, mudanças no processo de ocupação do espaço geográfico. A ocupação do solo e as edificações precisam se adequar as exigências ambientais que preservam a circulação do ar e permitem maior reflexão dos raios solares, só assim haverá a diminuição A) do desmatamento. 
B) da chuva ácida. 
C) da ilha de calor urbano. 
D) do acúmulo de lixo. 
E) da poluição dos rios.

10. UERJ 2000
As linhas isotérmicas, como no desenho acima, podem ilustrar um fenômeno climático típico de grandes cidades, caracterizado pela elevação da temperatura nas áreas centrais da mancha urbana devido à irradiação de calor para a atmosfera. Esse fenômeno climático, associado ao aumento dos índices de poluição, é denominado: 
a) chuva ácida 
b) ilha de calor 
c) inversão térmica 
d) aquecimento global

11. FMC – 2009/2º Sabe-se que os parques públicos, nas grandes cidades, funcionam como importantes locais de lazer, dentre outros motivos, pela qualidade de suas condições microclimáticas: em geral, pode-se encontrar ali um ar mais úmido e com temperaturas mais amenas em relação ao resto da cidade. O esquema gráfico a seguir representa a variação de temperaturas do ar em certa hora do dia.
Esse fenômeno climático, típico das grandes cidades , é conhecido como 
a) chuva ácida - cuja formação é consequência do fenôm eno da inversão térmica, que determina uma retenção de ar quente próximo à superfície. É comum no inverno, quando um a camada de ar frio se situa muito embaixo na atmosfera, bem próximo da área central. 
b) ilha de calor – que, constituindo uma redoma climát ica sobre a cidade, faz com que as temperaturas das áreas centr ais e de maior circulação de veículos, além das áreas indust riais, sejam maiores do que as das áreas mais arborizadas. 
c) efeito estufa - processo artificial que se intensif icou nas últimas décadas e entre cujas possíveis consequências estão o derretimento das calotas polares, os eventos de pre cipitação mais intensos e o aumento da temperatura nos grande s centros urbanos, principalmente nas áreas centrais. 
d) smog fotoquímico - fenômeno que faz com que um nevo eiro paire constantemente sobre as áreas centrais das c idades, especialmente quando estas estão cercadas por áreas de relevo mais elevadas, como ocorre em São Paulo e na Cidade do México, causando irritação na vista da população e intensificando os problemas respiratórios.

INSTRUÇÃO: Para responder à questão 12, observe a figura, que apresenta uma situação ambiental.
12. PUCRS - A figura destaca um problema ambiental vivenciado em vários centros urbanos, inclusive na capital gaúcha, chamado de 
A) inversão térmica. 
B) efeito estufa. 
C) efeito tampão. 
D) chuva ácida. 
E) ilha de calor.

13. UFMT 2003 - Sobre ilhas de calor nas cidades, julgue os itens. 
( ) São resultado do impacto ambiental gerado pela poluição do ar atmosférico, pela concentração de asfalto e de áreas edificadas, bem como pela falta de áreas verdes. 
( ) Apresentam como característica principal maior temperatura nas áreas centrais, em locais de muitas edificações e em torno de grandes áreas industriais. 
( ) Atuam como zonas de baixa pressão, atraindo ventos que podem levar para essas áreas maior quantidade de poluentes. 
( ) São restritas às cidades de grande porte, não afetando a população dos aglomerados urbanos de médio porte.

14. FUVEST SP 1994 - A continuidade espacial de várias áreas urbanas, fenômeno conhecido como conurbação, pode desencadear mudanças climáticas em escala local, algumas delas já detectadas em cidades brasileiras. As mais significativas são: 
a) A supressão da brisa urbana e a redução da pluviosidade. 
b) O aumento da umidade relativa e o desaparecimento das inversões térmicas. 
c) A diminuição da insolação e a redução da temperatura. 
d) A diminuição da nebulosidade e a melhor distribuição da pluviosidade ao longo do ano. 
e) A formação das “ilhas de calor” e o aumento da nebulosidade.

15. UFU 2011 - As cidades são aglomerados humanos que surgem, crescem e se desenvolvem de acordo com uma dinâmica espacial definida por circunstâncias históricas, socioeconômicas e ambientais. O processo de industrialização e a urbanização têm provocado o crescimento acelerado das cidades, bem como profundas alterações em sua superfície e em suas formas horizontais e verticais, o que resulta, quase sempre, em fontes adicionais de calor, sobretudo nas grandes cidades.
A partir das informações acima, responda as questões a seguir. 
A) Qual o nome do problema ambiental representado na figura? 
B) Explique os fatores que justificam o aumento da temperatura na área urbana e sua diminuição na área rural. 
C) Indique duas alternativas ambientalmente corretas que podem ser implementadas nas cidades para minimizar, ou até mesmo, solucionar o aumento da temperatura.

Respostas - Gabarito


01. B

02. O fenômeno de ilha de calor, representado na figura, resulta da elevação das temperaturas médias nas áreas urbanizadas das grandes cidades, em comparação com as áreas suburbanas e as zonas rurais periféricas, em função das diferenças de irradiação de calor dessas superfícies. Algumas ações que o poder público pode promover a fim de amenizar esses contrastes térmicos são: aumentar a área dedicada a parques, praças e jardins públicos; criar unidades de conservação para preservação de áreas de vegetação nativa ainda existentes; redefinir a legislação referente ao zoneamento urbano para redução da densidade das construções; definir normas para as construções em área urbana, com a adoção, por exemplo, de materiais e técnicas de redução da irradiação de calor.

03. A
04. B
05. B
06. D
07. B
08. D
09. C
10. B
11. B
12. E
13. V V V F
14. E
15. 
B) Na área urbana: Impermeabilização do solo; Concentração de diversos poluentes; Verticalização das cidades impedindo a circulação do ar e a dispersão do calor. 
Na área rural: Presença de Vegetação; evapotranspiração e Absorção da energia solar. 
C) 
Filtros nas chaminés das fábricas; 
Catalisadores nos veículos automotores; 
Ampliar as áreas verdes nas cidades; 
Utilização de combustíveis menos poluentes.

UFV está com inscrições abertas para Mestrado Profissional em Patrimônio Cultural, Paisagens e Cidadania

Mestrado Profissional em Patrimônio Cultural, Paisagens e Cidadania

O Curso oferecerá 20 vagas, sendo 10 destinadas a portadores de diploma ou concluintes de curso de graduação em qualquer área do conhecimento e 10 vagas destinadas exclusivamente a servidores dos 3 campi da Universidade Federal de Viçosa.

O Edital de Seleção 01/2015 é para os candidatos a vagas por demanda geral.
O Edital de Seleção 02/2015 é para os candidatos que possuem vínculo empregatício com a UFV.

O link e o sistema para inscrição é o mesmo, porém os editais são diferentes. As inscrições estarão abertas a partir das 8h (oito horas da manhã) do dia 17 de agosto até às 23h59min (vinte e três horas e cinquenta e nove minutos) do dia 25 de setembro de 2015.

Assim sendo, os candidatos só deverão acessar o sistema de inscrição a partir das 8h do dia 17 de agosto de 2015.

Para efetuar sua inscrição acesse o link abaixo:

Quaisquer dúvidas entrar em contato através do email mestradohistoria@ufv.br ou pelo telefone: (31) 38992035 (das 08h às 12h e das 14 as 18 horas, de segunda a sexta-feira).

Observação: Em virtude da greve dos servidores, o setor só está funcionando meio expediente (das 14h às 17:45), por tempo indeterminado.

Planeta tem quase 23 mil espécies de animais e plantas em risco de extinção

RIO— A União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN) divulgou nesta terça-feira que existem 22.784 espécies de plantas e animais em risco de extinção. Segundo a organização, espécies como o leão, caranguejo das cavernas e o leão-marinho da Nova Zelândia estão entre as que correm perigo de desaparecer.

A IUCN parabenizou os avanços relacionados à preservação de algumas espécies como o lince ibérico e o lobo-marinho de Guadalupe, mas destacou que esses ganhos foram ofuscados pelos maus resultados em relação a outras.

A entidade chama atenção para o caso do leão que está em risco mesmo em locais que historicamente foram vistos como refúgio como o leste da África. De acordo com a organização, a caça e o comércio de ossos, utilizados na medicina africana e asiática, são alguns dos fatores que contribui para a subpopulação de leões, classificados como “criticamente em perigo”.

Além dos leões, uma espécie de caranguejo encontrada em uma caverna de Bali também foi colocada no status “criticamente em perigo”. A IUCN relata que o turismo na região e os rituais religiosos que acontecem no habitat dos caranguejos tem sido responsável pela extinção da espécie. No caso dos leões-marinhos da Nova Zelândia, a extinção da categoria listada como “em perigo” está relacionada a doenças e mudanças no habitat, causadas pela pesca.

“Nosso mundo natural está se tornando cada vez mais vulnerável e a conservação pode produzir excelentes resultados”, afirmou o chefe da IUCN Inger Andersen.

A divulgação da chamada “lista vermelha” trouxe bons resultados relacionados a algumas espécies. A população de lince ibérico saltou de 52 animais em 2002 para 156 em 2012. No caso do lobo-marinho de Guadalupe, a quantidade de animais saltou de 200 em 1950 para 20 mil em 2010. Ações como aplicação de leis de proteção e adequação de proprietários rurais às exigências relacionadas à preservação dos habitats estão relacionadas aos bons resultados.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/sustentabilidade/planeta-tem-quase-23-mil-especies-de-animais-plantas-em-risco-de-extincao-16526519#ixzz3j5ZcFZQ8
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

El Niño

NOVA YORK (Reuters) - Meteorologistas do governo norte-americano aumentaram nesta quinta-feira a probabilidade de que as condições do El Niño no Hemisfério Norte durem até o começo da primavera (outono no Brasil). Agora as chances são de 85 por cento de que isso aconteça.
O Centro de Previsão do Clima, uma agência do Serviço Climático Nacional, previu no mês passado que havia 80 por cento de chance de que as condições durariam até o começo da primavera.
O CPC ainda disse que há uma chance maior que 90 por cento de que as condições do El Niño permaneçam ao longo do inverno no Hemisfério Norte (verão no Brasil).
A nova previsão aumenta marginalmente a chance de que o fenômeno El Niño, o aquecimento das temperaturas da superfície do Oceano Pacífico, libere um período de condições climáticas extremas e potencialmente devastadoras ao redor do globo.
Ocorrências no passado causaram chuvas pesadas e inundações, atingindo safras de grãos na América do Sul e clima abrasador na Ásia e no Lesta da África.